Your Language

Google-Translate-ChineseGoogle-Translate-Portuguese to FrenchGoogle-Translate-Portuguese to GermanGoogle-Translate-Portuguese to ItalianGoogle-Translate-Portuguese to JapaneseGoogle-Translate-Portuguese to EnglishGoogle-Translate-Portuguese to Spanish

quarta-feira, 3 de dezembro de 2014

Ah, Amar, Cozinhar!


Há quem cozinhe por obrigação. Quem ama com paixão. E quem não gosta nem de ligar o fogão! Eu sou do tipo que nasci para criar, refogar, assim e assado. Cozinhar para mim não é rotina. Todo dia faço um prato diferente. Adoro o natural! Uso um tempero diferente. Eu gosto mesmo é de cozinhar para alguém! Mas alguém que aprecie. Tão bom cozinhar para minha filha. Ver ela crescer comendo tudo que faço.

Comida Italiana, Indiana, Marroquina, Japonesa, Brasileira. Adoro desafio. Se eu ainda não sei, pode ter certeza que vou aprender. Treinar, é a chave do sucesso. Ninguém nasce sabendo. Quem está em alta, veio lá de baixo. Claro que existe o "$tatu$", e o "Quem indica". Mas só os bons, disciplinados, permanecem. Olhe lá a história de grandes cozinheiros! E digo cozinheiro... Porque Chef é um cargo de comando. Quando ele não comanda, ele cozinha, e cozinha. Nunca se sabe tudo. Sempre existe mais! Uma receita a ser inventada. Um tempero novo. Uma forma nova de usar algum alimento. A criatividade não tem limite na cozinha.

Gosto de ir comprar cada ingrediente. Gosto de feira. Gosto de escolher, provar. Ali mesmo já penso o que vou preparar. É automático.
Comecei a cozinhar com 9 anos, e com 21, me apresentaram um lado da gastronomia que eu não conhecia. Um lado intuitivo, apaixonado, cuidadoso. Daí por diante, vi que eu ia querer alimentar não só o corpo, mas sim a alma. Porque quando a gente come uma comida boa, boa mesmo. É que tem amor, ali. Sei bem o que tô dizendo... E vou continuar aprendendo, e amando.

terça-feira, 2 de dezembro de 2014

O que se cala, se sente




O silêncio que invade. Que cala da boca pra fora. Que cria expectativa. Que coloca o pensamento para criar. Ele pode ser um tipo de resposta. Ele não é sim, nem um não. Mas na verdade ele é muito mais intenso que isso. Muito mais linhas, e entre linhas. Querer não é poder. É deixar acontecer. 

O sol que nasce, a lua que surge. São silenciosos. Mas só de olhar para o céu, me vem uma onda de sensações. Por mais que as nuvens tentem escondê-los, eles estão ali. Nos dando luz. Você sente? 


O mar me diz muito mais com seu silêncio salgado, do que pessoas com palavras vazias. O coração diz mais do que a mente. A mente se engana. O coração jamais. O que sentiu, está sentido.


Um filme mudo. Que fala de saudade, lembranças. O silêncio do querer ouvir. A ausência de querer ver. Tem que ter a sabedoria do pensar, antes de falar. Planejar, acalmar a alma, e segurar os batimentos dentro do peito. 


Queremos falar muito com a boca, e esquecemos da alma. 

Às vezes um olhar fala muito mais. Pra quê falar
Mas você, eu quero ouvir! Pode começar...